sábado, janeiro 13, 2007

O Piano


Requentadas de fim de semana. Mais um texto sobre a infância. Infância quase universal se tratando desse assunto.

Gastón.


Porque será que quando a gente é criança, fica louco pra botar aparelho nos dentes? Se essa máxima se aplica a todo mundo, eu fui um moleque muito invejado.

Aliás, criança tem loucura por aparelho, óculos e braço engessado. Nunca vi...

Braço eu nunca quebrei. Os óculos estiveram na minha cara por anos e anos (lentes de contato porque odeio usar óculos).

Mas o sofrido mesmo foi o aparelho.

Meus dentes pareciam aquelas placas no meio do deserto: um monte de setas apontando uma pra cada lado. Pólo Sul? Siga aquele pré-molar!

E por esse motivo, dos 6 aos 11 anos de idade eu fui agraciado com todos os modelos, cores, tipos, formatos e intensidades de traquitanas ortodônticas existentes no mercado.

Toda semana minha mãe me baldeava lá pra Santana no consultório do Dr. João. Sempre que ele me via, exibia sua arcada impecável e soltava: “Lá vem o artista!”.

E eu era o próprio desfilando meu sorriso de metal pela escola.

Coisa besta que é gostar de usar aquele treco. Só pode sentir inveja daquilo quem nunca precisou. Primeiro por que dói pra burro toda vez que tem que apertar aqueles ferrinhos. E se você levar uma bolada na cara? E comer uma espiga de milho? Quantas vezes eu quebrei o aparelho comendo milho de pipoca... E só não ficava mais puto porque, na minha época, criança de 11 ainda não beijava na boca. Se bem que anos mais tarde eu andei experimentando umas mulheres que resolveram arrumar os dentes mais tardiamente e não achei que atrapalhasse não, é lenda...

Depois foi a vez do aparelho móvel. Aquele negócio não deu muito certo comigo. Pra mim tinha que ser coisa grudada na cara senão eu largava em tudo quanto é lugar, sentava em cima, entortava, pisava, perdia, quebrava...

Agora o cruel foi descobrir que eu ia ter que usar aquele capacete. Sabe aquele treco que parece um cabresto? Por sorte (sorte???) eu só usava pra dormir. Porque se tivesse que colocar de dia eu tava com os dentes tortos até hoje. Foram dois anos dormindo na cocheira. Quando meu ortodontista me dispensou, eu já tava praticamente relinchando. Habituei-me tanto àquela coisa que tive um período de insônia. Achava estranho dormir sem.

Fora essa epopéia de aparelhos ortodônticos, eu sempre tive uma cáriezinha, ou duas, ou três pra obturar. Meus dentes de trás foram tão obturados que do material original pouca coisa sobrou.

Ah, e também quebrei os dentes da frente no fundo da piscina. Bizarro né? Mas eu já conheci pelo menos mais umas 10 pessoas que fizeram o mesmo e passei a achar comum.

Acho que é por tudo isso que eu tenho certo trauma de dentista. Tudo isso e mais uma tarde inesquecível em que eu levei minha irmã no Dr. Eduardo, o açougueiro. Minha mãe me deixou sentadinho na sala de espera lendo gibi do Cebolinha enquanto eu ouvia minha irmã urrando durante 3 horas seguidas pra tirar dois cisos.

Por falar em cisos, os meus quatro ainda estão aqui e aqui permanecerão até o fim dos meus dias sem me incomodar. Já falei que se precisar tirar esse treco, quero que me dêem alguma coisa pra dormir. Posso acordar que nem o Tião Macalé, só não me deixa ver nada. Nojento, tchaaaam!

Pois é, hoje quem me vê sorrindo não imagina o quanto esses dentes já sofreram por terem nascido tortos na boca de um moleque encapetado.

Doutor João fez um bom trabalho :0D

6 Comments:

Anonymous Ana R. said...

Nunca usei aparelho.
Nunca precisei engessar nada.
Nunca levei ponto em lugar nenhum...
Ai meu Deus... que infância mais sem emoções!! rs
Na verdade meu irmão fazia tudo isso (e MTO mais) por nós 2! hehehe
Meus pais mereciam 1 descanso...
Mas confesso: MORRIA de inveja!
Bjão e parabéns pelos dentes!
Ana R.

7:06 PM

 
Blogger MH said...

ai como a gente sofreu...

12:49 AM

 
Anonymous Anônimo said...

Comi manga com aparelho fixo nos dentes. Demorou uma semana pra sair a fiapeira. É a versão ortodôntica da corcova do camelo (argh).
Bjs. Rosana.

11:30 AM

 
Blogger Tati said...

E acrescenta aí uma para as meninas: toda menina quer menstruar...... Coisa idiota, né? Lembro de brincar com os modess da minha mãe e rezar pra menstruar logo.... Se eu soubesse....
Ah, e Gasta, se precisar tirar ciso, eu tirei um sem dor nenhuma, viu? Te passo o telefone do meu açoug, quer dizer, do meu dentista!
beijo

9:09 AM

 
Blogger Gastón said...

Aninha, eu fui um cara invejado de mais. òculos, tala, aparelho... parecia um frankstein.

Beibe, nme me fala. Vc tb usou essas parafernalhas todas?

Rô, manga, junto com a Rapadura e o milho, são artigos proibídos pra gente com aparelho. Simplesmente não dá.

Ah Tati, sério? Pô, tb depois da segunda foi só reclamação... E não, eu não arranco esse ciso. Só com anestesia geral.

12:49 PM

 
Anonymous Anônimo said...

Nesse aqui eu fiquei com vontade de comentar que também amarguei as 3 fases do aparelho entre os 11 e os 18 anos... primeiro foi o extra-oral, depois o fixo e quando chegou no móvel eu simplesmente larguei mão e pus por terra metade dos meus anos de sofrimento metálico.
Ah, e olha que coincidência... o meu ortodontista também era o Doutor João! Ah, o Doutor João... não tinha pressa pra nada nessa vida... nem se abalou por roubar praticamente toda a minha adolescência!!! Hehehehehe!!!
Beijocas com dentes libertos,
Cris.

12:03 AM

 

Postar um comentário

<< Home

 
web site hit counter