domingo, fevereiro 10, 2008

Não sabe, chuta.

Eu queria saber quem é que limpa macumba. Já pensou nisso? Há uns 2 quarteirões de casa, vira e mexe tem lá um despacho de esquina. Sei lá quem é o raio do macumbeiro que mora aqui nas redondezas, mas o sujeito tá cheio de serviço ultimamente. Amarração pro amor? Trago seu marido de volta? Mando seu marido que voltou de volta pra onde ele tinha voltado?

Sempre tem lá uma cumbuquinha, as vezes uma pobre galinha preta, umas velas, uma garrafa de cachaça...

Pera aí, galinha, velas e bebida? Já vi isso em algum lugar e não era macumba.... deixa pra lá.

Mas o fato é que depois de uns diazinhos, aquele bololô de coisa acaba sumindo.

E o velho bordão "Chuta que é macumba" só serve mesmo pra mulher feia. Porque chutar uma de verdade garanto que ninguém se atreve. Quem é que tem coragem de botar uma vassoura naquele treco? E a mão então?

Será que são os garis quem varrem?

- Vai lá Tião, sua vez de limpar a farofada toda. Vai você que da última vez o Wladimir ficou duas semanas fumando charuto e girando a cabeça em cima do pescoço.

Varredor de rua já tem que fazer trabalho sujo. No caso, esse é o trabalho sujo do trabalho sujo. Tá mal com o chefe, vai recolher macumba.

Pensando bem, todo mundo tem seus dias de recolher macumba no trabalho.

Mas voltando ao nosso mistério, de repente o próprio cotidiano acaba se encarregando de levar aquele treco agourento embora. Passa lá um bebum e acha um desperdício uma garrafa cheinha de pinga ficar abandonada daquele jeito. Depois vem um vira-lata, come a farofa toda e sai carregando o frango na boca. As velas a chuva carrega. E quando só resta uma gamela de barro vazia e nada mais se parece com o que realmente era, sem problema algum, alguém joga o negócio no lixo.

É uma espécie de ciclo de biodegradação do despacho.

Bom, feita a macumba, desfeito o despacho, azar de quem deu mole e deixou a mulher cortar uma mecha do cabelo pra botar no feitiço.

Tô bem tranqüilo que esse risco eu não corro.

Mas... pera aí... olha só, alguém viu uma cueca branca por aí? Pô, não brinca não, devolve minha cueca. Pera aí, vamos negociar esse lance. Olha, você aproveita as velas que ia dar pro macumbeiro e a gente põe na mesa, rola um jantarzinho, climinha romântico, nada muito do além, mais convencional sabe, é, melhor...

19 Comments:

Blogger Rodolfo Barreto said...

Os macumbeiros dizem que o tal despacho é pro santo. Como sempre aparece um mendigo para se servir da iguaria, podemos concluir que todo mendigo é santo. Eu proponho uma medida eclesiástica que canonize todos eles, começando por São Tico, um sujeito que sempre perambula pela minha rua, fazendo o milagre de permanecer vivo.

9:43 AM

 
Anonymous Ciça said...

HAHAHAHAHAHAHA...melhor achar a cueca, hein?!
Não esquece q o cabelo já caiu, será que foi por causa de macumba?
Cuidado pq se a cueca sumiu pode ser que outras coisas comecem a cair...hahahaha
Beijoo

12:33 PM

 
Blogger Ana said...

Acredite ou não, soube que um primo da minha mãe bebia as pingas das macumbas.
:P

1:14 PM

 
Blogger Gastón said...

Rods, vou pedir uma cueca nova pro São Tico, o santo das calças impossíveis (que horrível esse trocadalho).

Ciça, é? Caraca, agora eu tô preocupado. Vou me benzer já. Torcendo pra terem pego minha cueca pra pano de prato.

Ana, hahahahaha, que revelações fantásticas nesse blog.

1:46 PM

 
Blogger ANNA said...

Bebida, comida e vela...
Hum, sempre desconfiei que jantarzinho romântico era um tipo de macumba!!! Tá aí, agora caiu a ficha de vez.
Agora, cueca que sumiu?!?!?! Sei não... O que foi que vc andou aprontando no carnaval, Sr. Gastón??? Ah, não lembra, né? Sei...
Beijos
(urb)Anna

1:56 PM

 
Blogger MH said...

1) O comentario da Ciça foi pesado. HOje ela fez um comentario com o mesmo teor no meu blog. vamos nos defender Gaston.

2) Eu não peguei tua cueca, juro

3) macumba tambem é uma coisa que sempre me deixou com uma pulga atras da orelha...depois le esse post que eu fiz (ou entnao nao le..e so bobagem mesmo rsrsrs)
http://diariodemh.blogspot.com/2007/11/chuta-que-macumba.html

3:43 PM

 
Blogger Re said...

Nunca tinha pensado nisso.
E vejo às vezes perto de casa umas (aliás somos quase vizinhos). Será que dá certo?
Se der te devolvo a cueca.... rsrsrsr
bjs
Re

4:14 PM

 
Blogger Gastón said...

Anna, bem que eu queria ter minha cueca roubada por alguma daquelas argentinas espetaculares que eu vi nas ruas de Buenos Aires. Mudava pra lá de mala e cuia.

MH, ela tá agressiva. Fico feliz e aliviado que não tenha sido você. Mas se foi a Ciça eu vou falar fino daqui a pouco.

Pois é Rê, nossa vizinhança é uma macumbada farta. Foi você? As pessoas estão querendo me confundir...

5:39 PM

 
Blogger Cláudia said...

Gastón
amadora hein? a talzinha que pegou a sua cueca. Devia ter colocado outra igual no lugar pra ela não perceber.
Aliás, eu, vc e Re somos vizinhos. Galera da roça, vamos nos unir!
beijo

6:40 PM

 
Blogger ANNA said...

Nunca tinha pensado nisso... Tipo enterro de anão!

9:24 PM

 
Blogger Gastón said...

Clau, pois é. pô, e cueca tá caro... A Re tb é aqui da roça né? Bacana isso, todo mundo morando aqui nos cafundós do Morumbi.

Anna, pois é, um tipo de lenda urbana, sei lá.

9:50 AM

 
Anonymous vivi said...

Um dia estava lá na praia fazendo trabalho de umbanda e tinha uma garrafa de pinga.
Nâo é que os caras estavam querendo roubar a garrafa do Exú?
Hahahaha.
Nada mais natural...........
BJs.

1:46 PM

 
Blogger Gastón said...

Vivi, tá brincando que veio nego roubar coisa do seu trabalho? Vou te falar viu, nem exu tem sossego hoje em dia...

6:04 PM

 
Blogger Beatriz said...

N�o se v� mais tanta macumba como antigamente! Uma vez eu chutei uma, b�bada voltando pra casa, e nada me aconteceu... s� acordei no outro dia s�bria e com a sand�lia cheia de farofa.

1:52 AM

 
Anonymous Ciça said...

HHAHAHAHAHAHAHA...

10:55 AM

 
Anonymous Fernanda Salgado said...

Sempre soube que essa coisa de paixão é macumba... Cuide melhor das suas cuecas, viu? Esse mundo sobrenatural é muito arriscado.

3:22 PM

 
Anonymous Ciça said...

Vamos atualizar isso aqui???
E não me venha dizer que est´pa trabalhando demais...

2:35 PM

 
Blogger Rubina said...

Coitadas das galinhas...lol...

12:04 PM

 
Blogger Gica Trierweiler said...

meu marido trabalhou em uma casa de artigos religiosos. ele vendia até preto véio em tamanho natural. hoje, é consultor de web. alguma relação?

*

gostei disso aqui. parabéns pelas narrativas-delícia :}

12:36 PM

 

Postar um comentário

<< Home

 
web site hit counter