segunda-feira, dezembro 04, 2006

Comprando telefone.

Outro dia desses eu entrei numa dessas lojas de telefone celular. Uma mocinha veio me atender. Todo mundo já viu uma mocinha de loja de telefone celular. Camisa de manga curta branca, logo da operadora no peito, cabelo bem preso atrás da cabeça. São como as operadoras: todas iguais.

Meu celular que tira fotos, toca mp3, rádio, canta, dança, fala e até faz ligações deu problema. Por isso tive que comprar um bem fuleiro pra quebrar o galho por uns tempos.

- Oi, tudo bem?

Com uma voz suave e cadenciada ela me responde:

- Tutu pein, e o senhor?

Tutu pein? No começo achei que era pegadinha do Faustão, mas resolvi continuar a conversa

- Tudo. Então, sabe o que é, meu celular quebrou e eu preciso comprar um pra ficar de reserva enquanto ele vai pra assistência técnica. Qual é o telefone mais barato que você tem aí?

- Olha senhor, eu vô ta tendo esse telefone aqui da Gratienti. Ele tem fifa fois, tem tiversos toques de chamatas polifônicos, fissor colorito e bateria que tura até tesoito horas ti conversação.

O que a gente faz com uma pessoa que fala assim? Não consigo muito bem denominar esse tipo de pronuncia, digamos que a mulher falava de um jeito meigo-descontrolado. Ela troca as letras. Show de horror, só faltava quebrar o pescocinho de lado e botar o dedo na boca.

Eu lá decidindo se ria, se virava as costas e ia embora, se imitava ela, se mandava trocar de atendente ou esperava até chegar em casa pra escrever um post.

- Então, e quanto custa esse aparelho?

- Custa cento e tessessete reais. É o mais parato. E o senhor pode estar pacanto com seu cartão ti cretito fissa ou master-cart em até tuas fesses sem churos.

Já pensou uma mulher dessa em casa? Te chamando de querito?

- Querito, o chantar ta na messa.

- Querido, to into tomar panho.

- Querito, o contominio ta atrasato.

Teus me lifre...

Eu não consegui comprar o celular naquela loja. Fiquei com receio. Vai que o telefone fala que nem ela.

- Alô? Tuto pein?

11 Comments:

Anonymous e. said...

gasta, "querito"... será meu nick da semana. amei. "peicho", e.

7:45 PM

 
Blogger Tati said...

outra pessoa te chamando de gasta!! vai pegar, hein Gastão??? hehehe
Mas vem cá, essas coisas parece que só acontecem com "foce", não? Eu se fosse focê logo logo começafa a imitar a garota, e ainta piorafa, chamafa ela de "galhôta".... Será que ela não tafa gripata não?
beijo

8:15 PM

 
Anonymous Rodolfo said...

É, não dá para casar com uma mulher dessas. Se a paixão fosse arrebatadora e não tivesse jeito, falsificaria sua certidão de nascimento para a Nova Zelândia. Assim, diria: "não liga gente, é o sotaque".

Tati, essa pessoa que também chamou nosso querido Gastón na intimidade é usualmente nomeada de Chiquirina. Mas como esse post de nomes estranhos foi em um outro dia, deixa pra lá.

12:14 AM

 
Blogger Gastón said...

e. , quanto tempo que eu não vejo um coment seu aqui heim... bom, seu ataque de riso na minha frente depois de ler o post já valeu mil comentários.


Tati, vou até adotar o Gasta :0)Curti o apelido do pseudônimo.

Rods, ela é Chiquirina entre outros apelidos...

12:39 PM

 
Blogger Re said...

Hoje fui eu quem tirou o dia para comentar seu blog.... hahaah
Problema de dicção ninguem merece..... bjs

3:08 PM

 
Blogger Gastón said...

Então rê, não era um problema de dicção. Era um estilo de dicção. Ela fala assim porque quer!

3:47 PM

 
Anonymous Fernanda Salgado said...

Bem...era só uma pequena pausa no trabalho para me divertir um pouquinho... Pensei: "vou ler esse blog um pouquinho... Só uns dois posts e volto ao trabalho".

Ok... Hooooras depois, ainda estou aqui, querendo ler mais! Jobs acumulados, atendimentos enlouquecidas!!! O telefone? Nem atendo mais... O Photoshop fechou... O MSN caiu...

Muito bom, hein? Adorei!!!

Beijos

5:08 PM

 
Blogger mc said...

ai me irrita..... odeio gente que fala que nem criança!
não é fofo, não é legal, não é bonitinho, não faz um cliente querer comprar mais. Mas mesmo assim elas fazem!!!
grrrrrrr

5:39 PM

 
Blogger Gastón said...

Fernandinha, adorei receber seu comentário. Espero que você venha sempre e comente sempre também. Esquece esse lance de Job aí, atendimento não entende porra nenhuma mesmo...

Rânei, ela não falava que nem criança. Ela falava que nem retardada, é completamente diferente.

9:52 PM

 
Anonymous Anônimo said...

Isso é perigoso, é que nem droga, você acha que pode parar, quando vai ver já está dominado pela dicção. A propósito, lembrei de uma hsitorinha da Turma da Mônica em que eles começam a falar em zenit-polar e não conseguem voltar ao normal. Eles choravam assim: buííí!
A Cláudia lembra.
Bjs. Rosana.

8:01 PM

 
Blogger Patricia said...

riso alto aqui na mesa do conjunto 15, pessoas observam sobre que cargas d'água estou rindo!
Muito pon essa história Caston

3:36 PM

 

Postar um comentário

<< Home

 
web site hit counter