segunda-feira, abril 23, 2007

Amor Corrupto

Esqueceu a janela do quarto aberta. Saiu de casa distraído, sem perceber que lá fora o dia já começou abafado de mais. Era mesmo um sujeito afobado de mais. Distração por distração aquela era só mais uma das suas. Motivos de discórdia entre Raul e Teresa eram muitos. Mas o de sempre era a desatenção do rapaz.


Coitado do Raul. Coitado mesmo, a Tereza era uma fera. Não sei se foi ficando ou se já era. Toda vez que cometia seus deslizes o homem ficava ainda mais franzino do lado da corpulenta e sinuosa mulher.


- Raul, tu tá achando que eu tenho cara de otária?


Naquele dia foi batata. Raul usou o espelho do elevador do prédio pra ajeitar a gravata. Estava mais atrasado do que o normal, passou o caminho inteiro imaginando o chefe lhe dando uma bela lição de moral.


No escritório era um inferno. A Tereza ligava pra ele o dia inteiro, da primeira sentada na cadeira até a hora de vestir o terno.


- Já cheguei benzinho. Não Tetê, eu tava só pegando um cafezinho. Não esqueci nada dessa vez amoreco. Da próxima vez fico mais aqui na minha mesa pra te atender. E o Raul olhava arrependido pro porta-retratos com a foto do casamento. Um casal desproporcionalmente engraçado na frente do altar.


Ela ficava de marcação em tudo. Fiscalizava cada passo do marido atrás de um mínimo descuido. E o Raul, sempre tolerante que só ele, contava até dez pra suportar as inconveniências da esposa. Fazia de tudo pra aguentar uma vida tão vigiada. Isso até o dia em que chegou no escritório uma nova estagiária.


Ah que maravilha que era a Carolina. Carol como era chamada pela platéia masculina. E o Raul se tornou o sujeito mais invejado de toda a Faria Lima. A mesa da Carol ficava bem na frente da dele, ali ao lado do corredor do xerox. Podia passar o dia todo olhando aquele monumento de mulher indo e voltando com as fotocópias na mão. E era um deleite tanto aquele belo traseiro da ida quanto o ingênuo sorriso da volta. Tinha mesmo um olho clínico para contratar estagiárias esse Dr. João.


A Carol não tinha mais do que vinte e um aninhos. Metade do Raul. Morena de pele, devia tomar sol todo fim semana na piscina pra manter o bronzeado. Cabelos compridos e ondulados, cintura fininha e uma bunda... que bunda era aquela. Os seios que cabem na mão. E não cabem na imaginação do Raul que enlouquecia com perfume almiscarado da ninfeta.

- Oi Tetê. Não. Tô aqui na minha mesa. Eu tava no banheiro querida. Lavei a mão. Já tomei o remédio amorzinho. Sim, lembrei de pagar a conta de luz, meu bem. Aniversário da sua mãe? Mas não é só mês que vem?


E não é que a Carol começou a dar mole pro Raul? É, quem diria heim? Logo pro mais recatado. Logo pro único homem casado.


- Seu Raul, o senhor pode me ajudar com a máquina de xerox? Acho que acabou o papel.

- Seu Raul não Dona Carolina, assim eu me sinto ainda mais velho do seu lado.

- Dona não Seu Raul, quero dizer, Raul. Carol.


É dona sim. É dona de todos os meus devaneios sujos, pensava Raul.


Coitado. Não sabia nem o que fazer. Há mais de quinze anos que deu sua última cantada em alguém. Se derretia todo com o charminho da novata. Hipnotizado por aquele nariz arrebitado carente de cuidado.


O tempo foi passando e as pessoas do escritório começaram a notar o comportamento dócil de Carol na frente do homem.


- Caramba Raul, ela tá dando mole pra você rapá! Tu não vai traçar essa gostosa?

- Mole que nada Evaristo. Eu sento mais perto dela, ela pede ajuda pra mim porque eu tô perto. Só isso.

Só de imaginar se uma história dessas chega no ouvido da Tetê, Raul já começava a tremer.

- Para com isso Evaristo. Tô ficando falado. A Tetê tem ouvido pra todo lado. E se ela escuta esse monte barbaridade? A Carolina é uma menina, tem metade da minha idade.

Medroso que só ele, começou a evitar contato com a garota. Falava que era fiel mas na verdade tinha medo de ser esmurrado pela mulher gorda.

Carol percebendo que o homem andava muito esquisito, mudou de foco e resolveu dar mole pro Evaristo. Dizem que o sujeito, sempre falastrão, na hora H brochou bonito.

E o Raul continua lá, quase empurrado pra fora naquela foto de casamento com sua mulher de proporções monumentais. Aguentando sua dose de broncas matinais.

Não traçou a Dona Carolina. Desistiu de querer.

- Já tô velho pra essas coisas. Sabe como é né, já é difícil dar conta da minha Tetê.

18 Comments:

Blogger anna O. said...

hahahaha, sensacional, totalmente rodrigueana! "Falava que era fiel mas na verdade tinha medo de ser esmurrado pela mulher gorda", muito bom.
(é inspirada naquela história que a mariana contou?)
a única coisa irritante são algumas premissazinhas machistas que dá vontade de chorar, né, seu gaston (tipo a estagiaria gostosa e pré adolescente), mas a gente perdoa. nelson rodrigues tb era a personificação do politicamente incorreto.

très très bien :)

3:55 AM

 
Anonymous Aninha said...

Nessas horas, ter imaginação fértil é divertidíssimo!! hehehe
Logo cedo, vi uma mulher passando e pensei: "Como ela parece a Tereza!"...
Além de dar voz aos posts, eles tb são personagens bem reais na minha cabecinha... rs
Bjinhos

9:10 AM

 
Blogger Gastón said...

Anna, mas a estagiária é fato concreto. E não vem não que você usou a morena do bar. Par ou ímpar pra ver quem usa a loira do banheiro: PAR!

Aninha, a Tetê é jogo duro. Coitada da mulher que você viu na rua rsrsrs.

10:40 AM

 
Anonymous Rodolfo said...

Quando era pequeno, meu melhor amigo tinha pais casados (é, por incrível que pareça isso já foi normal). O pai dele era um sujeito como o personagem da história, mas era chamado pelo sobrenome. Notou como a maioria deles são sempre Almeida, Cardoso ou Oliveira? Um comportamento que cheira a tinta de carimbo com repartição.

Mas o pai do meu amigo ia além. Ele jogava xadrez por correspondência. Era dobrar o corredor da sala para ver aquela mesa cheia de tabuleiros e ele no meio daquele império quadriculado. Quieto, compenetrado, mexendo o cavalo em "L".

Por tudo isso, ninguém nunca arriscaria que ele tinha uma amante. Mais: tinha uma família extra, com filho e tudo.

Pois é. A gente vê muita coisa nessa vida. Até peão dando cheque mate em rei.

10:46 AM

 
Blogger Re said...

Tadinho do Raul.... ele merecia carne nova.... a Carol era bacana, né? hahahaha bjs

12:58 PM

 
Anonymous Fernanda Salgado said...

Quando você escreve esses textos assim eu nem sei o que falar. Fico boba :)

Adorei!

Beijos

4:39 PM

 
Anonymous Você sabe quem... said...

Caro Sr. Gastón Hernandez Siñuelo y Cortazár,

Esse Raul não me engana. A fantasia dele caiu logo no começo do seu texto. "A Tereza ligava pra ele o dia inteiro, da primeira sentada na cadeira até a hora de vestir o terno."
Trabalhava pelado, o pulha! Tsc, tsc, tsc...
E essa Carol, hein? "Vinte e um aninhos, tomava sol todo fim semana na piscina pra manter o bronzeado, cabelos compridos e ondulados, cintura fininha e uma bunda... seios que cabem na mão..."
Sei não, seu Gastón, sei não.

5:27 PM

 
Blogger Gastón said...

Rods, até posso imaginar a cara de santo do infeliz. Mas meu amigo, uma família já é difícil. Imagina duas... esse cara devia ser perdoado pelo heroísmo.

Re, coitado é pouco. Perdeu o filé.

Fernandinha, mas você falou :0)

Você sabe quem, hahahahahaha, fantástico. Pois é, o trabalho do Raul, na verdade é numa sauna. Bom, quanto à estagiária, sacumé né... Escuta aqui, e essa tripla identidade heim? A polícia tá atrás de você? Beijos.

5:42 PM

 
Blogger MH said...

vixe, tadinho desse cara...

hahahahaha, essas estagiárias!!! um perigo, coitados dos homens. Ou sorte deles, por sempre conseguirem encontrar um colírio no local de trabalho, estagiárias estereotipadas mexem com a imaginação deles (vocês) mesmo...

7:29 PM

 
Blogger anna O. said...

que morena, uai?
a loura, se for a do supino, é toda sua. nada inspiradora, pour moi.

8:06 PM

 
Blogger Gastón said...

Anna, a morena que o Amargo levou pra casa. Já a nossa amiga do supino, nem pra falar mal serve ;0)

8:17 PM

 
Blogger anna O. said...

olha, será que não? tô considerando seriamente um post sobre o casal supino.
será que tá faltando assunto??? :-o

1:47 PM

 
Blogger Gastón said...

É, pensando bem... até que pode sair boa coisa ;0)

1:57 PM

 
Blogger mc said...

Ai, que aflicao. O cara vai viver pela metade ate a gorda morrer??

12:59 PM

 
Anonymous Anônimo said...

MC, MH, GASTÓN E JECA

http://kibeloco.blogspot.com/2007/01/afoga-delei-o-surgimento-da-internet.html

estou sem tempo para ler os posts mas gostaria de compartilhar essa pessoa com vocês ...
é idiotice, mas vale a pena para dar umas risadas nas "horas vagas"
beijos Luiza

3:36 AM

 
Blogger Rubina said...

Ao menos o Raul teve uma massagem no ego, não é Gastón?

Beijão

5:32 PM

 
Blogger Michel said...

Dá-lhe Raul!

9:08 PM

 
Blogger Gastón said...

Rânei, o cara já é metade da mulher... rsrsrs

Lu,como você tava sumida daqui heim? Que história é essa? Por onde anda heim? Eu conheço esse blog, sensacional. Escracho total, muito bom. Ótima dica.
Aparece tá?

Rubina, sem dúvida. Mas não teve coragem o coitado. Como costumamos dizer aqui, bem Rodrigueana essa história toda. Nos referimos ao Nelson Rodrigues, um escritor brasileiro que vale a pena conhecer.

Michel, meu sumido amigo. Pois é meu velho, um colírio para o pobre Raul. Ao menos um colírio...

10:10 PM

 

Postar um comentário

<< Home

 
web site hit counter